Psicologia

Textos Essenciais da Psicanálise – Volume II

32.00

CONTACTE-NOS










    Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório

    A publicação, em 1905, de Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade deu origem a explosões de indignação dificilmente imagináveis pelo leitor de hoje. O que nos nossos dias é considerado como um conhecimento comum da faceta pulsional da natureza do homem foi então visto como um ataque chocante e proibido contra a dignidade humana.

    Ao que parece, o factor mais ofensivo era a extensão do conceito de sexualidade, que, para Freud, era da maior importância e que descreveu da seguinte maneira: “Essa extensão é de um género duplo. Em primeiro lugar, a sexualidade é separada da conexão demasiado próxima com os órgãos genitais e é considerada como uma função corporal mais abrangente, tendo o prazer como meta e só secundariamente servindo os fins da reprodução. Em segundo lugar, os impulsos sexuais são considerados como incluindo todos aqueles impulsos de afeição e amizade a que o costume aplica a palavra por de mais ambígua de amor”.

    Neste volume, Anna Freud, filha e colaboradora de Sigmund Freud, inseriu, além do ensaio acima referido, alguns outros que, de conjunto, nos apresentam a teoria freudiana da sexualidade. São eles: As Teorias Sexuais das CriançasA Organização Genital InfantilA Dissolução do Complexo de ÉdipoAlgumas Consequências Psíquicas da Diferença Anatómica entre Os SexosA Feminilidade.

    Partilhe
    Categoria: Etiqueta: