Quase Memória Carlos Heitor Cony

10.00

Categorias: ,

Descrição

Lançado Originalmente Em 1995, “Quase Memória” Marcou A Volta De Carlos Heitor Cony À Ficção De Forma Consagradora, Depois De Mais De Vinte Anos Afastado Da Literatura. A Obra Ganhou, Em 1996, Os Prêmios Jabuti De Melhor Romance E De Livro Do Ano, Pela Câmara Brasileira Do Livro. Ponto Alto Na Produção Literária Brasileira Das Últimas Décadas, Este Romance Explora O Território Entre A Ficção E A Memória A Partir Das Reminiscências Do Autor Sobre O Pai Morto. Nele, Cony Mapeia Minuciosamente A Relação Pai E Filho: Os Sentimentos Contraditórios, As Alegrias E Tristezas Que Não Se Esquecem, O Afeto Incondicional E, Acima De Tudo, A Cumplicidade. Tendo O Rio De Janeiro Das Décadas De 40 E 50 Como Cenário, A História Começa Quando O Autor Recebe Um Embrulho Sem Remetente. A Primeira Reação É Achar Que Se Trata Do Original De Um Livro, Como Muitos Que Costumam Parar Em Suas Mãos. Mas Logo Os Detalhes O Surpreendem: A Letra No Envelope É A Do Pai Morto Há Dez Anos, Assim Como O Nó No Barbante E A Cor Da Tinta Da Caneta. Inconfundíveis. Aquele Objeto Inesperado Desencadeia Em Carlos Heitor Cony Lembranças Do Pai (Ernesto, Jornalista, Como O Filho Viria A Ser) E Dos Tempos De Menino. Com Grande Sensibilidade E Contundência, Cony Revisita Também Os Sentimentos Contraditórios Da Relação Entre Pais E Filhos: Aqueles Momentos Em Que Se Alternam Vergonha E Orgulho, Medo E Respeito



Produtos exclusivos

Categoria especial de produtos