Bom senso e bom gosto: a questão coimbrã (1885/1866), Vol. 1 / Alberto Ferreira, Maria José Marinho

10.00

Categorias: ,

Descrição

Bom senso e bom gosto: a questão coimbrã (1885/1866), Vol. 1 / Alberto Ferreira, Maria José Marinho

AUTOR(ES): Marinho, Maria José, 1928-, compil.; Ferreira, Alberto, 1920-2000, compil.
EDIÇÃO: 2a ed
PUBLICAÇÃO: Lisboa : Imp. Nac. – Casa da Moeda, imp. 1985-1989
DESCR. FÍSICA: 648 págs ; 24 cm
COLECÇÃO: Temas portugueses
CONSERVAÇÃO: Capa com algumas marcas de manuseamento; miolo em excelente estado

OUTLIT0320

Constitui um dos documentos mais importantes da polémica literária que ficou conhecida como a Questão Coimbrã ou mesmo a Questão do Bom Senso e Bom Gosto, tendo surgido como resposta à carta-posfácio de António Feliciano de Castilho inserta no Poema da Mocidade, de Pinheiro Chagas, de outubro de 1865, na qual o autor de Cartas de Eco a Narciso aludia ironicamente às teorias filosóficas e poéticas expostas nos prefácios a Visão dos Tempos e Tempestades Sonoras (ambas de 1864), de Teófilo Braga, e na nota posfacial das Odes Modernas, de Antero de Quental (de julho de 1865). Sentindo-se visado, Antero de Quental responde em novembro com o panfleto Bom Senso e Bom Gosto. Carta ao Exmo. Sr. António Feliciano de Castilho, onde qualifica o juízo de Castilho como uma crítica “à independência irreverente de escritores que entendem fazer por si o seu caminho, sem pedirem licença aos mestres, mas consultando só o seu trabalho e a sua consciência”, que cometem “essa falta de querer caminhar por si, de dizer e não de repetir, de inventar e não de copiar”. Antero define “a bela, a imensa missão do escritor” como “um sacerdócio, um ofício público e religioso de guarda incorruptível das ideias, dos sentimentos, dos costumes, das obras e das palavras”, que exige, por um lado, uma alta posição ética, por outro lado, uma total independência de pensamento e de carácter. Como consequência, e numa clara alusão a Castilho, Antero repudia a poesia que cultiva a “palavra” em vez da “ideia”; a poesia decorativa dos “enfeitadores das ninharias luzidias”; a poesia conservadora dos que “preferem imitar a inventar; e a imitar preferem ainda traduzir”; em suma, a poesia que “soa bem, mas não ensina nem eleva”. O autor das Odes Modernas preconiza ainda que a literatura portuguesa acompanhe “o pensamento moderno”, “as tendências das ciências”, “os resultados de trinta anos de crítica”, “a nova escola histórica”, “a renovação filosófica”.



Produtos exclusivos

Categoria especial de produtos